Após cancelar turnê, Justin Bieber teria dito que indústria da música é comandada por pedófilos

A suposta declaração de Justin Bieber veio à tona dias depois que o cantor pop anunciou que estava suspendendo sua carreira após ter cancelado 14 shows da turnê Purpose. A decisão foi tomada para que ele pudesse se dedicar a “reconstruir o caráter”

Um artigo sobre a indústria da música internacional vem causando grandes discussões nas redes sociais por causa de supostas declarações de Justin Bieber sobre a existência de pedófilos entre os produtores e grandes executivos. Um portal classificou a reportagem como falsa, mas não apontou provas do desmentido, o que ampliou o debate.

A suposta declaração de Justin Bieber veio à tona dias depois que o cantor pop anunciou que estava suspendendo sua carreira após ter cancelado 14 shows da turnê Purpose. A decisão foi tomada para que ele pudesse se dedicar a “reconstruir o caráter”.

O portal Your News Wire – dedicado a publicar notícias que não encontram grande espaço na grande mídia – assegurou que Justin Bieber afirmou “a centenas de pessoas em uma aula de estudo da Bíblia, em Los Angeles” que a indústria da música é “controlada pelo pior tipo de pessoa” que possa existir: “Pedófilos”.

A declaração de Justin Bieber teria sido feita no dia 22 de julho, durante um estudo da Bíblia realizado no hotel Montage, em Beverly Hills. Durante a aula, ele teria compartilhado com os presentes que isso o tinha motivado a abandonar a turnê.

O cantor teria ido além e revelado que durante uma festa, foi incentivado a abusar sexualmente de uma criança pequena que teria sido comprada para ser escrava sexual da elite da indústria da música. Estariam presentes na ocasião vice-presidentes de gravadoras, produtores, financiadores internacionais e agentes.

“Eu não queria fazer isso. Eu realmente não. Eles disseram que aquela criança estava drogada, era horrível”, teria dito Bieber, explicando que havia ficado claro para ele que aquela seria sua grande oportunidade no “lado comercial da indústria”, caso decidisse se juntar ao clube e cumprir os rituais de iniciação.

“Eu não seria apenas um intérprete, eu seria um magnta. Esse caminho se abriria para mim, como abriu para Jay-Z. É a diferença entre ser um milionário e ser um bilionário”, teria afirmado o cantor.

O portal acrescenta que o suposto relato de Justin Bieber – convertido ao Evangelho e batizado nas águas – incluia a percepção de que os males causados à criança não eram apenas de teor sexual.

“Para me juntar ao clube, eu teria que fazer coisas ruins para essa pobre criança. Mas então percebi que mesmo isso não era suficiente para eles. Eu também teria que matar essa criança pequena”, diz a matéria sobre as declarações de Bieber. “Eu desconfiei que eles filmassem secretamente essas festas. Uma vez que você tenha feito um vídeo fazendo algo assim, eles são seus donos”. O cantor ainda teria acrescido o relato de que já teria ouvido sobre esses rituais em outras ocasiões.

Ao final, Bieber teria salientado que sua consciência estava tranquila por não ter tomado parte naquele crime, mas tinha preocupações sobre o destino da criança: “Eles disseram que essa criança foi estuprada por algumas pessoas diferentes. Eles disseram que estava sangrando. Saí de lá, mas ouvi que a criança tinha morrido, e isso me assombra”.

Acusações

A matéria do Your News Wire foi produzida pelo jornalista Baxter Dmitry, que rememorou outras acusações feitas por celebridades que construíram fama em Hollywood, como no caso dos atores Elijah Wood (famoso pelo papel de Frodo na trilogia O Senhor dos Anéis) e Corey Feldman (Os Goonies).

Elijah Wood disse que vidas inocentes são destruídas para satisfazer “pessoas com interesses parasitas” que “vêem você como sua presa”. Em uma entrevista concedida ao Sunday Times, o ator fez afirmações sobre pedófilos no comando da indústria, frisando que “claramente […] tudo estava organizado”.

O jornalista pontua que veículos de grande mídia, como a rede de TV CNN ou o jornal The Washington Post, não costumam abrir espaço para notícias que abordem a pedofilia, e geralmente rotulam qualquer menção a isso como “fake news“.

“Nos últimos meses, Nicole Kidman e Lindsay Lohan também falaram sobre pedofilia em Hollywood. Os amigos próximos de Chris Cornell e Chester Bennington afirmam que a dupla que recentemente faleceu estava trabalhando para expor o anel de pedofilia que atua no coração da indústria da música – e isso lhes custou suas vidas”, afirmou Dmitry, tocando no ponto mais sensível de toda a matéria.

Falta de provas

Se por um lado, apenas o portal Your News Wire publicou a matéria com teor investigativo sobre as declarações atribuídas a Justin Bieber, outro portal, GossipCop – dedicado a desmentir fofocas – publicou artigo garantindo que o cantor canadense nunca fez tais declarações.

No entanto, o desmentido também veio desacompanhado de provas, limitando o argumento a uma curtíssima frase atribuída a alguém da confiança de Justin Bieber.

“‘Nunca aconteceu’, disse uma fonte próxima a Bieber com exclusividade ao Gossip Cop, chamando a história altamente suspeita de ‘falsa’ e ‘fabricada’. A pedofilia é um problema real. A decisão de Bieber de tirar uma pausa de sua turnê é uma questão real. Mas usar ambos neste relato inventado é absolutamente nojento”, criticou o portal

Via: Gospel Mais